O Futuro do Mercado de Mobilidade Elétrica – Uma Conversa entre Especialistas

Em nossa nova série de artigos “Industry in Focus”, especialistas discutem tendências emergentes em indústrias específicas e seu impacto nos negócios e na sociedade. Para lançar a série, os executivos sêniores da P3 Robert Stanek e Jürgen Schenk dão uma olhada na mobilidade elétrica junto com o especialista da HELUKABEL Uwe Schenk.

O futuro do mercado de mobilidade elétrica é um tema que todos estão falando. Há quanto tempo está envolvido com essa megatendência?

Jürgen Schenk (JS): Estou acompanhando a transformação da indústria automobilística há 15 anos e estou convencido de que a mobilidade elétrica é o futuro do mercado de automóveis.

Robert Stanek (RS): Tenho me interessado por este tema há quase dez anos, e em particular, como e quando a mobilidade elétrica se tornará economicamente viável.

Uwe Schenk (US): O que me atrai é a vastidão do campo de aplicação que vai muito além dos carros. Na HELUKABEL, por exemplo, estamos investigando tecnologias de carregamento rápido para ônibus elétricos e soluções para aplicações marítimas.

Qual é a atual parcela global de mobilidade elétrica no transporte?

RS: O maior mercado de mobilidade elétrica está na China. Cerca de 10% dos carros são movidos a bateria. Aqui na UE é cerca de 3 a 5%, e nos EUA cerca de 3%.

O P3 vê a mudança para a mobilidade elétrica como um requisito holístico que vai além de simplesmente eletrificar veículos. Pode nos dar um exemplo?

RS: Sim, claro. Vamos usar a infraestrutura de carregamento como exemplo. Quando nós, na P3, certificamos um veículo para o mercado europeu, nós o testamos juntamente com todas as principais redes de carregamento da Europa. Em um mundo ideal, o sistema de navegação sat calcularia a rota com os melhores pontos de carregamento e os tempos de carregamento mais rápidos. Na prática, porém, ainda não há uma rede plug & charge fácil de usar na Europa. E como existem tantos provedores diferentes, dependendo do país, precisamos de várias dezenas de cartões de carregamento para esses testes. E isso não mudará até que exista um padrão de carregamento harmonizado e todos os veículos atendam aos mesmos requisitos técnicos.

Quando é provável que um padrão de carregamento esteja disponível e como o mercado está mudando?

RS: Muitas empresas como Allego ou EnBW na Alemanha estão envolvidas na construção de infraestrutura há mais de dez anos. A cobertura de rede deles agora é muito boa, e eles já instalaram hardware de segunda ou terceira geração. Há também muitas outras   empresas que ingressam no mercado. Por exemplo, a Tank & Rast Gruppe localizou favoravelmente estações de serviço ao longo de autoestradas e, juntamente com sua parceira IONITY, operam estações de carregamento em quase 80 delas. Mas players globais como o Google também estão cientes do potencial de negócios aqui. O mercado está em processo de consolidação e muitas    transações estão sendo feitas. As empresas estão comprando outros provedores e as empresas estão fazendo novos investimentos no mercado.

Como você acha que a indústria de suprimentos pode ajudar a acelerar a aceitação mainstream da mobilidade elétrica?

JS: A cooperação entre os fabricantes de veículos, a indústria de suprimentos e os operadores de estações de carregamento é muito boa na Alemanha. Graças a vários novos planos de desenvolvimento, os investimentos estão em alta. É verdade que a concorrência levou a muitos sistemas heterogêneos na Alemanha. Mas isso vai se resolver com o tempo. A indústria alemã tem a expertise para construir um sistema global eficaz.

Quais os desafios que o HELUKABEL enfrenta?

US: Nossos cabos de carregamento propagam muita energia através de espaços confinados. Nossos produtos dependem, portanto, de uma boa tecnologia de condução e de excelentes materiais isolantes capazes de suportar altas temperaturas nos cabos.

Quais são os fatores limitantes para um cabo de carregamento?

US: Eles são principalmente limitados pelos periféricos do veículo e pelo tipo de plug. Também chegamos a um limite no que diz respeito ao manuseio do cabo de carregamento do carro. Utilizamos cabos com diâmetros de até 35 milímetros para plugues CCS (Combined Charging System, sistema de carregamento combinado) que podem ser usados tanto para corrente direta quanto para carregamento de corrente alternada. Isso significa que ele já tem um peso muito alto de tare. Um ponto chega quando o cabo de carregamento é simplesmente muito pesado para manusear.

Grande parte da discussão sobre mobilidade elétrica gira em torno de faixas e tempo de carregamento. Essas questões são superestimadas?

JS: Eu acho que quebras de carregamento a cada 1,5 a duas horas tornam dirigir um carro elétrico muito mais relaxante. Mas essas pausas só são necessárias se eu dirigir mais de 300 quilômetros. Para distâncias mais curtas, eu tento completar no meu destino. Neste ponto, devo mencionar que geralmente há apenas carregadores CA no final da minha jornada que fornecem muito pouca energia. Estes carregadores CA com 11 kW ou menos são remanescentes dos primeiros dias de mobilidade elétrica e são incapazes de carregar um carro em apenas uma ou duas horas.

US: Na HELUKABEL ainda notamos uma demanda muito alta por cabos para carregadores CA.

Por que isso?

JS: É porque esses pontos de carregamento CA são fáceis de construir e, em princípio, os fios de alimentação para eles já foram colocados em todos os lugares. A concorrência sob o lema de “quem tem mais postos de recarga?” é acirrada entre os municípios. Mas isso não ajuda os clientes. Faria muito mais sentido construir estações de carregamento mais rápido.

US: Outra possibilidade é fornecer infraestrutura de carregamento com base na troca de bateria. Você marca um horário no seu destino e troca a bateria vazia por uma completa.

RS: Eu acho que este desenvolvimento será realizado primeiro em veículos comerciais ou transporte público local. Os ônibus podem estar em seu depósito à noite, mas se houver, digamos, 100 ou mais deles, seria impossível carregá-los todos de uma vez porque a energia fornecida ao depósito é simplesmente muito pequena. O depósito de ônibus precisaria de sua própria estação geradora.

A partir da esquerda: Uwe Schenk, Robert Stanek e Jürgen Schenk discutem as tendências atuais em mobilidade elétrica (© Tobias Bugala).

Como você resumiria a situação em relação à viabilidade econômica da infraestrutura de carregamento?

RS: Até onde eu sei, apenas a Tesla está ganhando dinheiro até agora com sua rede de carregamento rápido. Nenhuma das outras operadoras de rede de carregamento tem um caso de negócios positivo ainda. Em outras palavras, eles ainda estão em fase de investimento e desenvolvimento.

O carregamento sem fio (carregamento indutivo) é uma tendência do consumidor para dispositivos móveis, por exemplo. Poderia ser usado para mobilidade elétrica?

US: HELUKABEL está recebendo muitas perguntas sobre isso. Existem aplicações interessantes, como instalações em postos de táxi. Esse tipo de sistema de carregamento virá, especialmente quando as rotas fixas estiverem envolvidas. Um bom exemplo disso são as balsas fluviais. Eles estão predestinados para este tipo de carregamento.

"A Alemanha deve se tornar o principal provedor e líder do mercado de mobilidade elétrica." Esta foi uma meta declarada pelo governo alemão e pela indústria alemã em 2010. Na sua opinião, até que ponto isso foi alcançado?

JS: A Alemanha começou tarde demais e muito lentamente. Desfrutamos de nossa superioridade com motor a combustão por muito tempo. Mas estamos ganhando força agora e não vai demorar muito até garantirmos a terceira posição no ranking. Será muito difícil recuperar a primeira ou segunda posição contra a China e a Coreia. Mas os planos de desenvolvimento atuais colocaram nossa economia em um modo de “despertar”.

Qual será o tamanho da participação no mercado de mobilidade elétrica daqui a dez anos?

RS: Estamos assumindo que até 2030, os carros totalmente elétricos responderão por cerca de 30 a 40% dos carros na Alemanha. Duvido que seja muito mais do que isso. No momento, é difícil para mim imaginar um ponto de carga em cada estacionamento em cada cidade em dez anos. Continuará a haver uma mistura de soluções de acionamento, como veículos movidos a hidrogênio, por exemplo.

Como você acha que nossa mobilidade será daqui a dez anos?

JS: E-mobility – em todos os seus disfarces – é o futuro, ou seja, para o carro particular, transporte público local ou transporte rodoviário. Em todos os lugares serão eletrificados.

US: Estou ansioso por cidades mais tranquilas porque 40% mais mobilidade elétrica significa 40% menos ruídos nas estradas.

RS: Para mim é importante que os desenvolvimentos se tornem mais sustentáveis. Ainda há muitas perguntas sem resposta. Por exemplo, quão eficientes são os carregamentos de estacionamentos?   Como as baterias são recicladas? Estamos assumindo que o volume de mercado será grande o suficiente em cerca de cinco anos para fazer a operação das instalações de reciclagem valer a pena. Até lá, temos que entregar soluções testadas e testadas.

 

Muito obrigado pela entrevista.

Robert Stanek, P3:

Robert Stanek, Global Advisor E-Mobility e membro do conselho da P3 Automotive GmbH, estudou administração de empresas e engenharia de produção na Universidade de Stuttgart. Ingressou na P3 em 2012 como consultor automotivo e é sócio desde 2017. Stanek lidera a equipe de mobilidade elétrica que se concentra em sistemas de baterias, motores elétricos e gerenciamento de custos.

Jürgen Schenk, P3:

Jürgen Schenk é Consultor Sênior E-Mobility na P3 Automotive GmbH. O engenheiro de pós-graduação tem 40 anos de experiência em desenvolvimento automotivo, o que inclui posições de liderança no setor de eletrônica de drive e, nos últimos 15 anos, envolvimento em mobilidade elétrica. Entre suas outras funções anteriores está a direção da integração do sistema de e-drive na Daimler AG.

Uwe Schenk, HELUKABEL:

Uwe Schenk, Gerente Global de Segmentos E-Mobility & Energia Renovável da HELUKABEL GmbH, é um técnico qualificado de rádio e televisão. Ele trabalha na HELUKABEL desde 1998. Em 2006 tornou-se gerente global de energia eólica e, em 2017, para energias renováveis e mobilidade elétrica.  A HELUKABEL é uma fornecedora de soluções para projetos de mobilidade elétrica e infraestrutura, e fornece os cabos certos para uma ampla gama de aplicações, desde geradores de energia até consumidores de energia, incluindo carros, ônibus, caminhões, caminhões industriais, aplicações marítimas e veículos de serviço aeroportuário.

Sobre o P3 Group:

A P3 é uma empresa de consultoria independente e internacional que oferece serviços de consultoria, engenharia e desenvolvimento de software. A P3 tem mais de 1.000 funcionários em 17 localidades internacionais. Atua no campo da mobilidade elétrica há mais de 15 anos.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on skype
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email